ARTIGOS

Fortalecimento Muscular no Pós cirúrgico de Ligamento Cruzado Anterior

Um dos desafios do pós-operatório de joelho é o fortalecimento do músculo anterior da coxa (quadríceps). Estudos demostram a relação com fortalecimento e frouxidão ligamentar. Ele é um importante músculo para
atividades esportivas e diárias. O estudo que vamos relatar é sobre o início precoce e tardio do fortalecimento do músculo anterior da coxa.

Os autores separaram em dois grupos:
Início precoce (4 semanas) e tardio (12 semanas) do processo de fortalecimento do músculo anterior da coxa. O início precoce trabalhou inicialmente com angulações de 90 a 45 graus, o início tardio com 90 a 0 graus. Este dos grupos foram acompanhados até 17 meses pós-operatório.

As cargas dentro do critério de subjetividade foram cargas leves com aumento gradual.

Foram observados que nos desfechos, frouxidão ligamentar não houve diferença estatística, em relação à força houve uma diferença de 5% com significância mais sem diferença clínica e na funcionalidade não houve diferença estatística.

Este foi um ECR, que nos respondeu uma pergunta importante para o processo de reabilitação, mas precisamos de mais ECR que podem aprofundar o processo de conhecimento na área específica.
.
.
.
Fonte: 1: Fukuda TY, Fingerhut D, Moreira VC, Camarini PM, Scodeller NF, Duarte A Jr,Martinelli M, Bryk FF. Open kinetic chain exercises in a restricted range ofmotion after anterior cruciate ligament reconstruction: a randomized controlledclinical trial. Am J Sports Med. 2013 Apr;41(4):788-94. doi: 10.1177/0363546513476482. Epub 2013 Feb 19. PubMed PMID: 23423316.29-4-02


Você sabe o que é Tendinopatia Patelar?

Esta é uma condição comum de uso excessivo, especialmente em atletas, particularmente os que praticam esportes de salto.
Fazer a gestão dessa condição é desafiadora para os profissionais de saúde. Isso porque a patologia e os fatores de risco não foram totalmente esclarecidos ainda.
Com base na literatura atual e no conhecimento clínico coletivo, a intervenção conservadora para este tipo de problema, que se mostra eficaz inclui:

Repouso;

Exercício excêntrico;

Abordagem dos problemas biomecânicos;

Alongamento;

Há também intervenções que incluem massagem com fricção transversa, órtese para reduzir a tensão. Mas estes contam com pouca evidência para apoiar o seu uso. Quando a dor é persistente no tendão, interferindo nas atividades funcionais, a cirurgia ou injeção são indicações para o paciente.

Fonte:
Reinking MF. CURRENT CONCEPTS IN THE TREATMENT OF PATELLAR TENDINOPATHY. International Journal of Sports Physical Therapy. 2016;11(6):854-866.18700348_1365807350180978_5377884058461418948_n


Fraturas do quinto metatarso: tipos de tratamento

O tratamento de fraturas ósseas do 5º metatarso proximal, um tipo de fratura comum especialmente em atletas, ainda é um grande desafio para a os profissionais da área da saúde.

A fratura do 5º metatarso, e dividida em três locais anatômicos: Fratura na tuberosidade por avulsão (Zona I) fratura diafisária proximal (Zona 2) e fratura diafisária terço médio (Zona 3).

Uma RS (Revisão Sistemática) publicada em 2016 propôs o tratamento de acordo com a zona que foi lesionada com os seguintes prognósticos: na zona I a indicação NÃO cirúrgica é a que apresenta um excelente potencial de regeneração. Para lesão na zona 2 ou Zona 3 a intervenção cirúrgica apresenta um excelente potencial de regeneração.

Lembre-se, cabe ao profissional exibir todos os dados e informações sobre o caso, mas a decisão deve sempre seguir os valores do paciente em si!

Fonte: 1: Cheung CN, Lui TH. Proximal Fifth Metatarsal Fractures: Anatomy,
Classification, Treatment and Complications. Arch Trauma Res. 2016 Jun
13;5(4):e33298. doi: 10.5812/atr.33298. eCollection 2016 Dec. Review. PubMed PMID: 28144601; PubMed Central PMCID: PMC5251206.
18622271_1363313803763666_8416714251627583242_n


Lesão no menisco: cirurgia nem sempre é a melhor opção

Muita gente acaba sofrendo com algum tipo de problema no joelho.
Tanto quem faz atividade física, quanto quem leva uma vida sedentária.

Esse tipo de lesão costuma ter uma indicação para a cirurgia, porém, na grande maioria dos casos o paciente PODE decidir entre o tratamento cirúrgico e o não cirúrgico!

É crucial que o profissional forneça todas as informações necessárias ao seu paciente, sempre focado nos três pilares da boa solução clínica para questões que temos boas evidências científicas.
Essa orientação deve orientar a buscar a solução que: ocasiona menos dor ao paciente, menor custo e que atenda aos valores do paciente.

Lembre-se: cirurgia nem sempre é a melhor opção! Você paciente tem o poder de escolha! Converse com o seu profissional de confiança!
18485788_1354563274638719_5622646439786853400_n


Boa experiência clínica

Como já abordamos anteriormente, para que possamos tomar uma decisão com relação à saúde, é preciso seguir algumas diretrizes.
Quando não temos uma boa evidência científica, mas contamos com uma boa experiência clínica, por parte do profissional, é preciso refletir e abordar o problema seguindo os seguintes pontos:

Qual o tipo de intervenção vai gerar menos sofrimento ao meu paciente?
Qual a intervenção que vai ter o menor custo para o paciente?
Qual a ação que vai gerar menos dano?
Qual a intervenção é corrente prática clínica?

É com base nestes pontos que você, o paciente, terá uma forma mais clara de tomar uma decisão.
É com base nestes pontos que você, profissional da área da saúde, precisa dar as informações necessárias para que o paciente decida o tipo de caminho a tomar!

Continue nos acompanhando e fique por dentro de outros temas importantes sobre a saúde!

Fonte: Diana Petitti, MD, MPH;a Steven M. Teutsch, MD; b Mary B. Barton, MD, MPP;c George F. Sawaya, MD;d Judith K. Ockene, PhD, MEd;eThomas DeWitt, MD,f on behalf of the United States Preventive Services Task Force
This article was first published in the Annals of Internal Medicine. Select for copyright and source information
18301840_1350918935003153_6954965940803944231_n


Evidência Científica, Experiência Clínica e Valores do Paciente

Para você tomar uma decisão em saúde, é preciso se apoiar nos três pilares: Evidência Científica, Experiência Clínica e Valores do Paciente.

Temos o primeiro pilar que depende das pesquisas científicas, outro que depende da experiência e dedicação do profissional, e o terceiro pilar os valores do paciente, que sempre deve ser informado quais as soluções para o seu problema!

Sempre vamos ter no mínimo 2 soluções para um mesmo problema!

*Curso de capacitação em saúde baseado em Evidência do Hospital Sírio Libanês/Ministério da Saúde.Alexandre-02


Treinamento excêntrico na reabilitação II

Excêntrico


Treinamento excêntrico na reabilitação

exercicio excêntrico


« Anterior  1 2